Seguidores 8
Curtidas 9
Visualizações 3.032
Id

Mãos Poderosas

1.094
1
0
0

Mão com simbulo de água e da estrela dos elementos

Dificuldade
Niv. Basico

Comentários:

Xavier vs: 30/07/2020 00:00:35

O Pentagrama: Satânico? Ou o Estrela do Oriente, Pentagrama Um amigo que é cristão me questionou sobre o meu envolvimento com a maçonaria. “Eu pensei que você fosse um cristão”, disse ele. “Por que você está em um lugar desse, maçônico? Todo mundo sabe que eles usam um pentagrama”. Este absurdo tem aos montes na internet. O pentagrama, ou estrela de cinco pontas, é na verdade um símbolo comum. Ele aparece 27 vezes na bandeira do Brasil e 50 vezes na bandeira americana, embora os teóricos da conspiração, aparentemente esquecendo o que este símbolo significa, afirmam que as estrelas foram colocadas na bandeira dos EUA pelo bruxo “George Washington durante uma de suas missas negras ou rituais satânicos”. O pentagrama apareceu pela primeira vez a mais de 5.000 anos atrás, em escritos e desenhos mesopotâmicos. Os babilônios usaram-no como um diagrama astrológico para representar os cinco planetas até então conhecidos, Mercúrio, Marte, Júpiter e Saturno, com Vênus, a Rainha do Céu, no ponto alto da estrela. O grego Pitágoras usou um pentagrama invertido de cinco pontos para representar os elementos clássicos do fogo, água, ar, terra e o conhecimento (ou “o divino”). Os primeiros cristãos usavam o pentagrama para descrever uma gama muito ampla de conceitos, a partir dos cinco sentidos, para as cinco chagas de Cristo na cruz. Os católicos têm utilizado para simbolizar as cinco “virtudes de Maria” (Anunciação, Natividade, Ressurreição, Ascensão e da Assunção). No conto Arthuriano do século 14, de Sir Gawain e o Cavaleiro Verde, aparece no escudo de Gawain para delinear as cinco virtudes do cavaleiro:. Companheirismo, pureza, sinceridade, cortesia e compaixão. O pentagrama, ocasionalmente, apareceu no simbolismo da Maçonaria, a mais proeminente como o símbolo da Ordem da Estrela do Oriente, parte da família maçônica de grupos relacionados conhecidos como os corpos em anexo. Ele foi criado na década de 1850 pelo maçom Rob Morris e sua esposa, como um grupo que permitiu que homens e mulheres se reunissem em um ambiente fraterno da loja. Homens que são maçons podem participar, assim como as mulheres que são casadas ou não com os maçons. Morris, amante inveterado do ritual maçônico, criou uma cerimônia de iniciação como na Maçonaria, mas diferente o suficiente para que ele não pudesse ser acusado pelas Grandes Lojas de iniciar as mulheres como maçons. Ele baseou seu ritual em fontes bíblicas. As cerimônias de graduação da Ordem da Estrela do Oriente contam histórias sobre as cinco heroínas da Bíblia: Ada, filha de Jefté do Livro dos Juízes; Ruth, a nora de Naomi; Esther, a mulher Hebreia e corajosa de Xerxes; Marta, irmã de Lázaro, a partir do Evangelho de João; e Electa, a “senhora eleita” mencionada em João. O pentagrama como usado na Ordem da Estrela do Oriente descreve estes cinco “pontos”, estrelas e também representa a Estrela de Belém, enquanto que o ponto inferior supostamente direciona os espectadores para o local de nascimento de Cristo. A sala do capítulo são tradicionalmente ornamentados com um pano grande ou carpete representando o pentagrama e os seus pontos da estrela. No centro do símbolo representa um altar com uma Bíblia aberta em cima dele. Além de seu uso na Ordem da Estrela do Oriente, o pentagrama – de pé ou invertido – no ritual maçônico, nos EUA e grande parte da Europa (não aparece oficialmente em Preston-Webb), aparece em alguns rituais dos graus simbólicos no Rito Escocês em algumas jurisdições. Alguns painéis, que são gráficos pintados com simbolismo, usados para ensinar lições maçônicas, no início do século XIX, continham estrelas de cinco pontas com um “G” no centro, como um símbolo de Deus e geometria. Uma “Estrela Flamejante” é muitas vezes referida na descrição da loja como parte dos símbolos, e parece ter aparecido pela primeira vez no texto cifrado “The Master Key” de John Browne em 1802, como um lembrete da “Onipresença” do Todo-Poderoso , ofuscando-nos com o seu amor divino … “Hoje, algumas jurisdições dos EUA utilizam esta estrela referindo-se a Estrela de Belém. Mas em nenhum dos casos é descrito como sendo de cinco pontas. No Brasil, esta estrela aparece com maior frequência como um dos elementos da loja simbólica. Outros pesquisadores têm sugerido que ela possa representar uma parte do ritual de Mestre Maçom, os “Cinco Pontos da Perfeição”. Mas não foi uma ligação muito utilizada e não sobrevive o seu uso desta maneira. Maçons, na verdade, não veneram ou adoram símbolos. O simbolismo é usado principalmente na Maçonaria como um dispositivo de memória ou uma alegoria para ensinar uma lição moral. O pentagrama invertido nunca apareceu como uma parte regular dos rituais maçônicos do simbolismo. O pentagrama invertido certamente não era um símbolo inerentemente ao “mal”, quando Pierre L’Enfant o colocou no mapa de Washington DC. A primeira menção de pentagramas sendo “bom” ou “mau” apareceu mais de 60 anos depois de L’Enfant desenhar a planta da rua para a cidade. No livro do não-maçom Eliphas Levi, “Dogma e Ritual da Alta Magia”, publicado em 1855, Levi, um estudante francês do ocultismo e magia, ficou fascinado com o assunto em meados de 1800, como grande parte do mundo ocidental. Seu livro foi a primeira menção conhecida na impressão de um “bom” ou “mau” pentagrama. Ele explicou-los como um equilíbrio ying-yang do bem e do mal no universo. pentagrama-centro O desenho (acima) comumente reimpresso, erroneamente alegado ser de Eliphas Levi, mostra o pentagrama como um símbolo do homem com a cabeça no topo e as mãos e os pés esticados para fora como os outros quatro pontos. Chamado o Homem Microcósmico, a cabeça representa o espírito, enquanto as mãos e os pés representam ar, terra, água e fogo. O pentagrama invertido na ilustração é supõe-se representar a cabeça de Baphomet na forma da face de uma cabra. A barba é o ponto inferior, as orelhas dos próximos dois pontos, e os chifres no topo. Descrita como um demônio ou ídolo pagão de origem incerta, Baphomet foi supostamente adorado pela Ordem dos Templários, de acordo com torturadores e promotores que procuram destruir a ordem de cavaleiros no início do século 14 (Inquisição). No entanto, o símbolo de Baphomet como um pentagrama cabeça da cabra é realmente não tem mais de cinco décadas de idade. Segundo o autor Stephen Dafoe, sua primeira aparição conhecida é, na verdade, a partir do livro de Maurice Bessy, “A Pictorial History of Magic and the Supernatural”, publicado na França em 1961. A conexão satânica com o pentagrama não apareceu até 1966, quando Anton Levey fundou a Igreja de Satanás em San Francisco. Para seus seguidores, o pentagrama invertido é uma paródia da Santíssima Trindade. Em qualquer caso, este símbolo não significa nada para a Maçonaria, e nunca significou. Bibliografia: – Este texto é uma adaptação da pesquisa realizada pelo irmão Christopher Hoddapp, Past Master da Broad Ripple Lodge #643 e Lodge Vitruvian #767, em Indiana.

Responder

Tipos